quinta-feira, 7 de maio de 2009

Entendendo a Matrix



Matrix, pode-se dizer, é uma das melhores contribuições evolucionistas para o cinema mundial. Por quê? Porque é um filme repleto de efeitos visuais do início ao fim e tem uma estória futurística de tirar o fôlego? Sim, óbvio. Esse aspecto é usado para atrair os artistas gráficos e produtores de cinema, sem falar que ele se estende da cultura pop ao modernismo cotidiano, e uma notória ficção científica precisa de anomalias para ser ao menos aceitável. Mas esse vasto universo virtual dirigido pelos irmãos Andy e Lerry Wachowski abrange um parâmetro muito maior do que o que vemos com os nossos olhos.
O filme precisa ser visto com a mente. Matrix não é o tipo de produção para se ver uma vez e largar de lado quando estiver aparentemente ultrapassado.
Tendo fascinado milhares de estudantes e mestres da filosofia, a estória é uma verdadeira viagem a um mundo onde tudo e todos não passam de softwares exercendo suas devidas funções.
Thomas Anderson está confuso. Ele é um hacker que o usa o codinome virtual Neo para não ser identificado na vasta web. Durante o dia, trabalha normalmente como programador numa respeitada empresa de softwares e ignora o mundo em que vive.
A pergunta é: o que faria um hacker quando transformado no mais poderoso vírus de computador capaz de voar e parar balas no ar? Neo é o convocado para acabar com a guerra que cobre Morpheus e os outros da nave Nabucodonozor, então ele vai até o deus Ex-Machina e propõe-lhe um trato: Acabar com o programa Smith (que até então estava “limpando” todos os softwares da Matrix) em troca do cancelamento da guerra.
Smith era um poderoso antivírus, e Neo era um poderoso vírus. Ambos travam um confronto decisivo que definiria o destino da humanidade e, vendo que não pode vencer Smith (que se infiltrou na Fonte e ganhou poder para vencer o escolhido), Neo se deixa “limpar”, usando o termo mais óbvio para um escaneamento de computador, e é consumido pelo agente. Mas, segundo um amigo meu experiente em informática, o que acontece com um pendrive quando recebe (ou consome) um vírus e é posteriormente quebrado ao meio? É destruído juntamente ao vírus, e foi isso o que aconteceu. Neo, vendo que não tinha mais motivos para viver, se sacrifica pela Matrix, livrando-a de seu maior inimigo.

O que é a Matrix?

A Matrix é uma espécie de sistema operacional que está por trás do que os seres humanos julgam ser a realidade, por trás do cotidiano de todas as pessoas; mas na verdade todos somos manipulados por esse gigantesco turbilhão de informações, onde o indivíduo atua conforme a sua crença, conforme a sua capacidade em acreditar em si mesmo. Tudo é possível na Matrix, desde que a pessoa acredite que ela existe.
No filme, Neo enxerga esse vasto sistema operacional através de códigos, onde todos são softwares e exercem suas devidas responsabilidades, porque a sua acepção da matrix está de acordo com a vida profissional que ele leva (como programador ou hacker), mas cada um interpreta este universo individualmente.

Entender a Matrix e entender a si mesmo é uma tarefa complicada para Neo. Há uma cena no primeiro capítulo, pouco antes da aparição de Oráculo, em que Neo vê algumas crianças fazendo dados flutuarem, e, em meio a essas crianças, há um menino que entorta uma colher com o poder da mente. Neo tenta fazer o mesmo, mas não consegue concretizar o exercício da primeira vez.

Menino: Não tente dobrar a colher. Não vai ser possível. Em vez disso, tente apenas perceber a verdade.

Neo: Que verdade?

Menino: Que a colher não existe.

Neo: A colher não existe?

Menino: Então verá que não é a colher que se dobra, apenas você.


Na Matrix, nada é real, tampouco os gostos dos alimentos. O que as pessoas sentem ao comer alguma coisa não passa de uma mensagem que o alimento transmite para a mente e obriga a pessoa a "degustar" aquilo, exatamente como faz um programa de computador ao ser iniciado, ele precisa receber a mensagem para depois ser processado.
O exercício de concentração proposto pelo menino a Neo, na verdade é um treino de crença. Neo precisa acreditar que o que dobra é ele mesmo e não a colher. A colher, assim como os alimentos, não existia senão na cabeça de Neo.

Animatrix

Animatrix é um complemento para a trilogia, uma coletânea de animações que conta detalhadamente a origem do conflito entre homens e máquinas e outros ocorridos dentro da matrix.
Os homens deram às suas máquinas uma inteligência extraordinariamente independente, e ao mesmo tempo começaram a usá-las para tudo, em outras palavras, tornaram-nas suas escravas.
Com o passar do tempo, os robôs perceberam que estavam sendo manipulados e se rebelaram contra seus próprios donos, sendo massacrados momentaneamente por eles.
Os robôs sobreviventes escapam para o Oriente Médio e fundam o Zero-One, país destinado a abrigar apenas a sua espécie, para que tivessem tempo e desenvolvimento econômico suficientes para planejarem uma revolta.
Os homens, por sua vez, também raciocinaram. Sabendo que sem a energia solar as máquinas não funcionavam, resolveram queimar o céu, mas a Matrix é criada, e cai o desequilíbrio.